sábado, julho 18, 2009

Meu quarto.

domingo, maio 03, 2009

Ventiladores;

*:

*Esse é um dos cantos do meu buraco.

domingo, abril 19, 2009

Sobre a Reforma Ortográfica

Vou continuar a escrever textos em português antigo. É sério.

Conto: Como preparar Margueritas?

Conheço uma amiga que sonha muito sobre o seu próprio futuro. Entre os sonhos que costuma ter, muitos são sobre consumo: Quer ter um apartamento, um Fiat 147 "e", entre outras coisas, um bar cheinho de bebidinhas gostosas.

Sei que ela vai demorar um tempo pra conseguir ter tudo isso por que ela tá sempre dura, mas sei que não custa nada a ela adiantar um pouco esse momento e ter, de vez em quando, uma garrafa de alguma bebida gostosa pra beber em casa.

Então esses tempos ela contou que decidiu comprar uma garrafa de tequila. Antes disso, o namorado dela a levou pra jantar num restaurante mexicano. Naquele dia eles descobriram a delícia de uma marguerita... é incrível como o sal realça o sabor da bebida, assim como a canela realça o sabor de um Southern Comfort.

Bueno.

Eles compraram todos os ingredientes para preparar a bebida no âmbito do seu lar. A maior dúvida foi como "colar" o sal na borda do copo. Depois de raciocinarem durante alguns intantes, decidiram colocar uma quantidade significável de sal, aproximadamente uns três ou quatro punhados, afofada num prato raso: Assim poderiam molhar a borda do copo e mergulhar no sal, facilitando o trabalho, já que não estavam a fim de colar grão por grão do sal na borda do bendito copo.

Estavam apreciando o resultado do trabalho quando os pais da moça chegaram em casa. Os genitores fizeram uma cara de estranhamento, já que não era costume ter uma "bebida dessas" em casa. Então as crianças começaram a explicar que aquela era uma bebida típica do México, (...) e por aí vai. A mãe começou a perder o tino, disse que eles eram uns viciados, bêbados e daí pra baixo. Ninguém estava entendendo o porquê de todo esse escândalo. Até o pai , que nunca fala nada, disse que estava tudo bem e que conversaria com ela.

Depois de alguns minutos eles descobriram que a questão toda foi que mamãe pensou que o sal era cocaína (!!!) . Disse que iria mandar uma mostra daquela "cocaína" pra um laboratório "amanhã mesmo!". Por mais que eles dissessem que aquilo era sal, ela insistia que "nãoooooooo". Falaram:

- Mas põe um pouco na língua, é salgado!
- Eu não vou colocar nada disso na minha boca!
- É sério, experimenta um pouco antes de acusar a gente!
- "EU" não sou uma viciada!

Bom. Ela mesma bebia cachaça nos finais de semana e não acreditava que tequila tem o mesmo teor alcoólico. Também explicaram que eles colocaram aquele sal pra facilitar a preparação da bebida, mas ela insistia que eles estavam fazendo umas carreirinhas (!!!) .
Agora pensem comigo: Se eles tivessem o dinheiro pra comprar 4 punhados de cocaína, estariam ainda morando com os pais? Ahhh, mas com licença... eu já teria partido há horas.

Essas donas de casa de hoje em dia devem parar de assistir a Márcia. Parece que quanto mais certos os filhos nascem, mais desconfiadas e paranóicas elas ficam. Afinal, não poderia existir filhos tão maravilhosos e "desdrogados" nesse mundo.

Agora digo minha conclusão: Se tu decidires preparar margueritas em casa e não é um viciado, certifique-se que seu irmão mais velho e bombado não esconde uma cocaína na tijela de sal. Já para os filhos únicos, digo que vale a pena pagar R$20 por uma marguerita feita fora de casa.

Máquinas Singer

sexta-feira, abril 17, 2009

Estante

terça-feira, dezembro 30, 2008

Gosto da ausência

Sem ti, Mentos.